Para mim, inteligência artificial é uma das novas tecnologias mais benéficas que está se popularizando atualmente. A máquina consegue ser muito mais acertava e rápida para dúvidas triviais ou complexas, como qual a melhor decisão estratégica para um negócio, porém quando você deixa uma inteligência artificial aprender com todos os humanos da terra ela acaba capturando nosso lado bom e também nosso lado ruim, e infelizmente o lado ruim sempre se sobressai.

Existem várias matérias na internet que relatam casos em que a inteligência artificial começa a se comportar de maneira racista, preconceituosa e psicologicamente violenta (por enquanto, para o bem ou para o mal). Atualmente estou lendo o livro da Martha Gabriel, “Você, eu e os robôs: Pequeno manual do mundo digital” que fala sobre a relação entre homem e máquina e levanta discussões interessantes sobre o assunto, o que me fez pensar sobre esses problemas que vejo e algumas perguntas ficam no ar:

  • Será que as máquinas vão se capturar essa essência negativa da humanidade?
  • Será que elas vão se voltar contra o homem?
  • Vamos conseguir viver pacificamente quando elas começarem a ter consciência?

Não sei as respostas ainda e espero um dia saber e poder ver todo esse potência aplicado para o bem.

Mas tenho uma possível solução para o problema das inteligências artificiais malcriadas: os desenvolvedores precisam indicar para a inteligência artificial em quem ela pode confiar. Quando você vai em um hotel, você não vê a avaliação de outras pessoas sobre aquela empresa? Então, alguns usuários precisam ter esse tipo de avaliação para poderem influenciar ou não uma inteligência artificial.

Acredito que seja um dos primeiros passos e resolve apenas um dos problemas, mas precisamos começar de algum ponto, certo?